quarta-feira, 29 de julho de 2015

Novo vídeo do Tokio Hotel Responde com a T4F

A Time For Fun (T4F), empresa responsável por trazer e divulgar a banda no Brasil, escolheu 5 perguntas de fãs e entregou para a banda responder em vídeo. Serão um total de cinco vídeos, um por semana. Confira a segunda resposta e sua tradução:

O Tokio Hotel falou sobre a mudança de sonoridade na carreira e o processo de composição do último disco "Kings of...
Posted by T4F on Segunda, 27 de julho de 2015



"Pergunta: @Laryssa Gonçalves: Houve uma mudança no gênero musical no Kings of Suburbia, as músicas estão mais eletrônicas, assim como no albúm Humanoid, comparado ao albúm Scream. Vocês nunca perderam a essência de vocês, fizeram um ótimo trabalho, eu amo isso. Qual foi o principal motivo da mudança no estilo musical da banda? E qual o maior obstáculo e medo que tiveram que enfrentar por conta dessa mudança?

Bill Kaulitz: Oi, Laryssa! Obrigado pela pergunta. Nós meio que entramos no estúdio e deixamos acontecer, nós não necessariamente planejamos uma mudança no estilo da sonoridade. Ao gravar um novo disco temos em mente de não fazer um disco igual ao anterior. Para o último trabalho, eu penso que nosso objetivo foi, pensar pessoalmente criar algo que gostaríamos de ouvir na balada, em um bar, queríamos que fosse um disco que refletisse a nossa personalidade e a forma como mudamos com o passar dos anos. Primeiro pensamos em fazer música de acordo com o que nós somos e que nos faça felizes depois pensamos nas outras pessoas, no fim das contas ficou mais eletrônico e eu acho que seja a nossa maneira de fazer as coisas no momento.

Tom Kaulitz: Eu penso que não temos nenhuma barreira sonora, apenas fazemos o que queremos fazer.

Bill Kaulitz: Existem pessoas que gostam disso e tem pessoas que não. Eu me lembro quando lançamos nossa primeira música do álbum “Stormy Weather, todos odiaram dizendo “Eu não sei se essa é a sonoridade certa para a banda” ou “Não sei se gostei”. Muitas pessoas querem nos afastar disso e preferem que continuemos no jeito já “esperado” de fazer música. Na minha opinião toda vez que você é criativo, você tem que se arriscar que nunca irá saber se as pessoas irão gostar o mesmo tanto que você. Então decidimos “Nós queremos fazer, dane-se se ninguém gostar. Nós amamos, é o nosso som, era o que queríamos fazer e nos sentimos bem sobre isso”. Então só fizemos."



Tradução por T4F
Veja a primeira pergunta/resposta clicando AQUI.